fechar
Cirurgia pediátrica: importância de preparar a criança psicologicamente

Cirurgia pediátrica: importância de preparar a criança psicologicamente

  • 14 de outubro de 2021
  • Postado por: Toctoctoc

Os momentos anteriores ou posteriores a uma cirurgia pediátrica podem afetar psicologicamente a criança caso o assunto não seja devidamente abordado com ela. Isso porque, quando o pequeno não compreende a verdadeira finalidade do procedimento, terá maior dificuldade para tolerar a ansiedade, o desconforto e a dor.

No passado, crianças chegavam ao centro cirúrgico sem serem informadas sobre o que estava ocorrendo. Isso porque, até então, se pensava que era melhor não estimular o medo de antemão. Também não se falava nada sobre a experiência após a operação, porque se acreditava que elas logo esqueceriam.

Posteriormente, com os conhecimentos que as pesquisas foram trazendo ao longo do tempo, foi estabelecido como direito da criança o de saber a verdade em relação à realidade da experiência de uma cirurgia pediátrica.

CIRCUNSTÂNCIA CRÍTICA

Para pessoas de qualquer faixa etária, a intervenção cirúrgica representa uma circunstância crítica que pode gerar uma crise vital, ou seja, um episódio de alteração psicológica de caráter agudo e de duração limitada que se apresenta como um obstáculo que o indivíduo não pode evitar nem resolver com seus recursos habituais.

A população infantil é a mais sensível a esse tipo de crise devido ao seu desenvolvimento imaturo. Em outras palavras, ela tem recursos ainda limitados para enfrentar situações desconhecidas e/ou dolorosas.

Sua capacidade para raciocinar logicamente e considerar as razões reais para a experiência de uma cirurgia pediátrica é limitada. Além disso, para superar o medo, a frustração e a dor, ela geralmente recorre à fantasia.

A experiência de vida da criança também é limitada e, devido às características de seu pensamento egocêntrico, ela pode interpretar de forma errada os procedimentos dolorosos e invasivos, podendo inclusive interpretá-los como castigo ou punição e, consequentemente, se sentir culpada.

PERCEPÇÃO DA REALIDADE

Portanto é necessário proporcionar aos pequenos recursos que facilitem a eles a percepção da realidade da experiência e do propósito da cirurgia pediátrica. Bem como apoio que permita a eles expressarem suas emoções em segurança e de acordo com seu nível de desenvolvimento.

Quando a criança compreende a verdadeira finalidade da cirurgia pediátrica, ela é capaz de tolerar melhor o desconforto e a dor. Por outro lado, não prepará-la devidamente pode ser prejudicial.

Há relação direta entre o mentir ou não informar os pequenos sobre a operação e seu propósito real e a gravidade dos sintomas emocionais posteriores.

POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS

Uma das possíveis consequências negativas é o desenvolvimento de sintomas psicoemocionais pós-cirúrgicos associados à cirurgia/hospitalização. Entre eles, fobias, pesadelos, insônia, enurese, distúrbios de linguagem, temor de pessoas vestidas de branco, incapacidade de interagir com outras crianças e de brincar e agressividade (com a intenção inconsciente de afastar qualquer outro perigo).

Ansiedades que parecem terem sido dominadas na época da cirurgia pediátrica podem ser reativadas em crises futuras na vida, como na crise normal da adolescência por exemplo.

Outra possível consequência de não informar ou omitir informações sobre a cirurgia pediátrica é a criança perceber a experiência como um ataque hostil, um abuso, uma violência.

Isso pode levá-la a perder a confiança nos adultos ao seu redor, particularmente naqueles mais significativos em sua vida. Confiança essa que é essencial ao seu desenvolvimento emocional sadio.

Portanto os pequenos devem ser adequadamente preparados para um procedimento cirúrgico com o objetivo de diminuir o impacto potencialmente traumático da crise que representa a operação e, assim, diminuir o risco de distúrbios emocionais a ela associados.

Outro motivo é minimizar o medo e ajudá-los a experimentarem um senso de domínio da realidade de uma experiência potencialmente traumática tal como uma cirurgia pediátrica.

Deixe um comentário

Seu comentário será moderado antes de ser publicado.

O seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *